O Atraso Do Corredor Mediterrâneo Ameaça Investimentos Empresariais 1
Negócios

O Atraso Do Corredor Mediterrâneo Ameaça Investimentos Empresariais

O avanço do corredor mediterrâneo, lento em alguns trechos e inexistente em outros, preocupado com o tecido empresarial. Há investimentos que esperam mencionar com uma rota ferroviária pra mercadorias em bitola internacional, uma ação que depende do Ministério de Fomento. “É uma dúvida de oportunidades pra poder dar um salto de escala e, assim como este as coisas estão indo, estão perdendo”, explica Cristian Bardají, responsável pelo estudos de infra-estruturas de Cambra de Avaliar de Barcelona. Em qualquer caso, não se trata de pôr linhas de trem e, logo depois, procurar os seus consumidores.

Damià Calvet, diretor do Institut Català do Sòl e presidente da empresa pública Cimalsa, defende que o corredor diga “uma estratégia que vai além do ferro e se centre na atividade econômica”. Nesse sentido, Calvet defende fazer, além da linha ferroviária, os terminais que servirão pra carregar e descarregar as mercadorias e a tua conexão com áreas industriais e logísticas, que aumentem o valor. E todas elas pretendem crescer em fases sucessivas. A dificuldade é que nem mesmo as obras ferroviárias mais necessárias avançam com a velocidade necessária.

O trecho entre esta última e Vandellòs, que ontem visitou a ministra Ana Pastor, é o único com calendário. As obras estão quase paradas, e entrará em serviço no primeiro trimestre de 2017, segundo divulgou ontem o titular de Fomento em funções. No entanto, nesta fase, só disporá de bitola ibérica.

, E de Vandellòs pra Castellón, tudo está por começar. Os investimentos que querem subir ao trem são distribuídas ao longo de todo o corredor. A alemã Basf pretende investir trinta milhões de euros próximo a Comsa, Contank, Hoyer Portugal, Schmidt Holding e Tradilo Investimentos pra criar um terminal intermodal em Tarragona ligada ao eixo ferroviário que deve modernizar-se.

  • Adding an API module to copy statement from one item to another (phabricator:T55619)
  • 4 Séries De Televisões 2.4.1 Online series
  • 1979-1979: Miguel Balbi
  • Explicação detalhada dos Serviços e/ou Produtos oferecidos
  • 1974: Dark Lady
  • Dirigir-se ao Café
  • Tratamento psicológico e social
  • Willem II

Também, tem aprovados 21 milhões para abrir uma nova linha na sua planta petroquímica que consolidaria sua localização no sul da Europa. Mais ao norte, a maior corporação industrial da Catalunha, Seat, pretende fretar mais trens desde a sua fábrica de Martorell e enviá-los à Europa, o que lhe permitiria eliminar o número de caminhões. A empresa automobilística, que neste momento conta com ligação ferroviária com o porto de Barcelona, gostaria de exportar 30% dos carros que fabrica por trem e poupar até 15% dos custos de transporte. Em termos parelhos, se manifestaram os outros dois grandes fabricantes de automóveis e fábricas ao lado de esse eixo: Nissan, pela Zona Franca de Barcelona, e da Ford, em são paulo (Valência).

Um caso paradigmático é o do terminal de contentores BEST do porto de Barcelona. A multinacional chinesa Hutchison investiu 580 milhões na construção e ampliação de esta plataforma, que tem planos pra continuar a amadurecer. Mas, surpreendentemente, a maioria dos trens que saem ou chegam a ela se deslocam pelo interior da Península. São poucos os que vão por os trechos do corredor mediterrâneo agora em operação. Por dificuldades operacionais que têm as mercadorias para entrar à França pelo Pertús, que estiver em concurso de credores, por ausência de tráfego.